A1BA67D6-B7F5-4EE9-B96E-A3C6C6A729C2TIM banca virtual
99BC25CD-9209-40C8-AC3C-7870EBF636C3

Publicado em 04 de maio de 2021

Após ser indiciado pela morte de Henry e virar réu por tortura, entenda todos os casos em que Jairinho é investigado

Fora a morte do menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, pela qual foi indiciado com Monique Medeiros, mãe do menino, Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), é agora réu por violências praticadas contra a filha de um ex-namorada entre 2011 e 2012, segundo o Ministério Público Estadual. Ele também é alvo de inquéritos por causa de violência doméstica e por agressões contra um menino, também filho de uma mulher com quem teve relacionamento. Na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), o vereador é investigado pelo vazamento de um nude.

Veja, abaixo, todas as suspeitas que pairam sobre o vereador.

Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), foi indicado pelo delegado Adriano Marcelo Firmo França, da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV),  pelo crime de tortura contra a filha de uma ex-namorada sua. Nesta segunda-feira, a  2ª Vara Criminal de Bangu aceitou a denúncia sobre o caso do Ministério Público do Rio de Janeiro, e agora o político é réu pelas agressões.  As violências foram relatadas pela mãe e a avó da criança ao delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP (Barra da Tijuca), durante o inquérito que apura a morte de Henry Borel Medeiros, de 4 anos. Os termos de declaração foram encaminhados à especializada, onde foram abertos dois outros procedimentos investigativos. Na DCAV, a menina confirmou as violências e, quatro prontuários médicos que mostra que a vítima esteve em unidades de saúde se queixando de lesões no braço, ao longo de 2011, analisados por peritos do Instituto Médico Legal (IML), compõem as provas técnicas que embasaram o indiciamento. Foi feito um pedido de prisão preventiva do parlamentar. A pena por esse crime pode chegar a oito anos de reclusão.

A criança é filha de uma cabeleireira que conheceu Jairinho em 2010 e chegou a ficar noiva do vereador, com quem manteve um relacionamento até 2014. A menina, hoje com 13 anos, contou ter tido a cabeça batida pelo então padrasto contra a parede do box de um banheiro e até ter sido pisada por ele nos fundos de uma piscina para que não conseguisse levantar e respirar.A avó da criança, que também foi ouvida pelos investigadores, relatou que, ao questionar o vereador sobre um machucado na testa da menina, ele respondeu que o ferimento foi provocado por uma batida no console do carro após uma freada brusca durante ida a um shopping. Em outra ocasião, disse a avó, a garota chegou com o braço imobilizado e Jairinho disse que ela teria se lesionado durante as aulas de judô. O professor da academia, também em depoimento, negou ter recordações desse episódio. A avó ainda disse ter estranhado o comportamento da neta quando ela a agarrou e, chorando e vomitando, pediu para que não a deixasse sair sozinha com Jairinho.

Cerca de oito meses depois, ao assistir a um programa de televisão que abordava casos de violência doméstica, a menina admitiu as agressões que sofrera.Ao ser preso no dia 8 de abril, pela morte do enteado, Jairinho prestou depoimento ao delegado da DCAV e negou as acusações feitas pela ex-namorada. Em relação à filha da cabeleireira, o vereador disse que eles tinham uma relação “amistosa” e não mantinha com ela “grau de intimidade”, negando que tenha saído sozinho com a criança ou a levado a qualquer lugar que tivesse piscina. Ele também contestou as informações de que teria torcido o braço dela, dado “mocas” em sua cabeça e colocado um saco em seu rosto para sufocá-la. Este caso ainda se desdobrou num outro inquérito por violência doméstica na própria DCAV.

O filho da estudante Débora Melo Saraiva também prestou depoimento à Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). A mulher começou a se relacionar com Jairinho em 2014 e diz ter ficado com ele durante seis anos, entre idas e vindas, já que na época o parlamentar também era casado com a dentista Ana Carolina Ferreira Netto, mãe de dois dos seus três filhos. O menino, atualmente com 8 anos, relatou que o vereador colocou um papel e um pano em sua boca, avisando que ele não poderia engoli-los. Ele teria colocado a criança deitada em um sofá na sala de sua casa em Mangaratiba, subido no móvel e pisado sobre seu corpo.A estudante relatou também que, em uma ocasião, o menino machucou o joelho quando estava sozinho com Jairinho. O vereador ligou dizendo que a criança havia torcido o joelho, e médicos de uma clínica particular constataram que ela tinha uma fratura no fêmur.

A mãe afirmou ter estranhado o fato de o filho não ter chorado em nenhum momento, mesmo diante da lesão grave.No segundo depoimento que prestou, no último dia 16, Debora narrou, ao longo de quatro horas, os episódios de violência que sofreu por parte do parlamentar — foram tantos, segundo a moça, que ela sequer é "capaz de contabilizar". Na delegacia, Debora alegou ter mentido e omitido informações em seu primeiro termo de declaração por se sentir "ameaçada".

Da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI),  Jairinho  é investigado pelo vazamento de um nude de uma ex-namorada. O delegado Pablo Sartori, titular DRCI, já informou que intimará o político e o advogado André França Barreto, que o representava na época. Na especializada, a cabeleireira de 31 anos contou que a imagem, feita quando mantinha um relacionamento com Jairinho, chegou a ser espalhada na ocasião do término, sendo que logo após houve uma tentativa de reconciliação por parte dele. O nude foi então novamente compartilhado nas redes sociais depois do depoimento prestado por ela no inquérito que apura a morte do menino Henry Borel Medeiros.

Ao delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP (Barra da Tijuca), a mulher relatou que ela e a filha, que tem atualmente 13 anos, sofreram diversas agressões por parte do vereador, entre 2010 e 2014.O nude da cabeleireira teria começado a circular em um aplicativo de mensagens na semana de 23 de março, quando ela foi até a 16ª DP. Em cima da imagem, há a mensagem: “Vereador Jairinho que botou peito em mim”. Ela disse à polícia que conheceu Jairinho em 2010, na festa de comemoração pela eleição de seu pai, o policial militar e ex-deputado estadual Jairo de Souza Santos, o Coronel Jairo (MDB), e logo depois eles teriam ficado noivos. Na ocasião, o vereador era oficialmente casado com a dentista Ana Carolina Ferreira Netto, mãe de dois de seus três filhos.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar a sua experiência

Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa política de privacidade.