A1BA67D6-B7F5-4EE9-B96E-A3C6C6A729C2TIM banca virtual
99BC25CD-9209-40C8-AC3C-7870EBF636C3

Publicado em 22 de julho de 2021

Todos por um Esporte Seguro

O esporte é mundialmente reconhecido por sua importante contribuição à saúde e ao bem-estar. Fazemos amigos, nos divertimos, superamos dificuldades, desenvolvemos novas habilidades, comemoramos conquistas! E também aprendemos valores para a vida: respeito às regras do jogo, trabalho em equipe, a ter disciplina, a aceitar as nossas limitações, ganhar, perder e recomeçar.

Na sociedade em que vivemos temos coisas boas e ruins, sendo uma delas a violência. E o esporte está inserido nesse contexto. Sendo assim, também está sujeito a aspectos negativos. De acordo com o Comitê Olímpico Internacional (COI), a violência sexual acontece em todos os esportes e em todos os níveis de participação. Uma a cada três mulheres já experimentou violência física e/ou sexual em sua vida; e um a cada seis homens já experimentou agressão ou abuso sexual em sua vida. Esses dados escancaram uma dura realidade.

Em 2018, após uma crescente quantidade de denúncias de assédio sexual no esporte, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) criou uma Política de Prevenção e Enfrentamento a Violência, Assédio e Abuso, a qual deu início a uma série de ações, visando promover um esporte seguro, tais como: criação de um canal de denúncias, produção de material de orientação, folders, campanhas, atividades educativas nos diversos eventos realizados pelo COB, além da criação de dois cursos on-line e gratuitos: o Curso de Prevenção e Enfrentamento do Assédio e Abuso no Esporte e o Curso Abuso e Assédio Fora de Jogo - uma versão para jovens atletas de 12 a 17 anos.

Os últimos anos foram de estudo, imersão e ação. E como resultado dessa jornada, no último dia 18 de maio, data da comemoração do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o COB ganhou o Prêmio Neide Castanha pelo trabalho realizado por meio do seu Programa de Prevenção e Enfrentamento do Assédio e Abuso no Esporte, o que nos encheu de orgulho.

Todo esse trabalho e reconhecimento foi fruto de parceiros relevantes, como o COI, a ONU Mulheres e diversos outros profissionais envolvidos.

Como diz o provérbio africano, "é preciso uma aldeia inteira para se educar uma criança". E é isso que estamos fazendo: educando a nossa aldeia esportiva para que possamos proteger nossas crianças, adolescentes, mulheres e demais grupos vulneráveis.

Essa é uma luta minha, sua e de todos e todas nós! n

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar a sua experiência

Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa política de privacidade.