A1BA67D6-B7F5-4EE9-B96E-A3C6C6A729C2TIM banca virtual
99BC25CD-9209-40C8-AC3C-7870EBF636C3

Publicado em 25 de novembro de 2021

Mãe de copiloto de avião que caiu entre Paraty e Ubatuba grava vídeo e relata problemas iniciais nas buscas; veja na íntegra

RIO - A mãe do copiloto do avião que caiu em mar aberto entre Ubatuba (SP) e Paraty (RJ), com três pessoas, na noite desta quarta-feira, gravou um vídeo à TV Globo dizendo que soube do acidente às 21h10, e que as informações estavam desencontradas.  De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), destroços foram encontrados às 6h35 na área do acidente e há probabilidade de serem da aeronave desaparecida. As buscas continuam.

"Ninguém sabia de nada. A gente ligou para a Capitania dos Portos, para vários órgãos, e só ia começar a busca agora pela manhã porque não era de jurisdição de um e de outro", diz ela em vídeo gravado para a TV.

Segundo o que a mãe diz na gravação, o helicóptero que estava previsto para sair da base aérea em busca do avião às 3h da manhã, atrasou e saiu por volta das 4h20 porque apresentou pane no momento da saída.

"A gente chegou aqui e vamos tentar alugar um barco para a gente ir onde está as coordenadas que nos falaram da queda", relata.

De acordo com informações preliminares, o avião bimotor estava a caminho do Rio de Janeiro quando caiu em mar aberto entre Ubatuba (SP) e Paraty (RJ), por volta das 21h de ontem, de acordo com o Corpo de Bombeiros.

As primeiras informações são de que três pessoas estavam na aeronave. O avião, modelo PA-34-220T, pertencia ao copiloto, identificado como José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos. A aeronave não poderia fazer táxi aéreo, mas tinha autorização para fazer voos noturnos privados. A vistoria estava em dia. Na manhã desta quarta-feira, o Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico montou uma operação para tentar localizar as vítimas.

Segundo o "Bom dia Rio", da TV Globo, o voo saiu às 20h30 de Campinas, no interior de São Paulo, e pousaria no Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. No entanto, trinta minutos após decolar, caiu em mar aberto na divisa entre São Paulo e Rio. A Marinha, a Capitania dos Portos e a Defesa Civil de São Paulo ajudam nas buscas. O Corpo de Bombeiros do Rio afirmou que disponibilizou uma equipe para ajudar nas buscas.

Thalya Viana, namorada do copiloto, afirmou ao telejornal que o voo saiu do Rio por volta das 8h30 em direção à São Paulo e retornaria para a capital fluminense por volta das 18h30. No entanto, a decolagem atrasou e o trio só saiu da capital fluminense duas horas depois. Meia hora depois, a jovem disse que o avião desapareceu.

— Ele saiu do Aeroporto de Jacarepaguá, por volta das 8h30, com outras duas pessoas, e foram até São Paulo. Eles voltariam para cá às 18h, mas o avião atrasou e eles só saíram por volta das 20h30. Ele voava no avião de outra pessoa — destacou a jovem que completou: — Não temos nenhuma informação ainda. Estamos desde as 21h tentando alguma notícia. A primeira (notícia) foi que ele caiu. Mas depois (veio a notícia) que ele caiu e foi resgatado e depois ele teria feito um pouso forçado entre Ubatuba e Trindade e que eles tinham sido resgatados. Ligamos para todos os hospitais próximos, mas ele não deram entrada. A única coisa que queríamos era uma coordenada para procurar. A Capitania dos Portos não tinha barco. A gente quer buscar respostas — diz Thalya Viana.

Segundo a namorada de José, os pais do rapaz chegaram a alugar um barco por conta própria para fazer as buscas em alto mar.

— Por falta de informação, os pais dele alugaram um barco e estão procurando. enquanto eu e minha cunhada estamos tentando informações básicas. Ninguém sabe de nada. Ninguém sabe nos informar. O Corpo de Bombeiros só disse que iriam procurar hoje. Eles estão pousados desde ontem. Tentamos todos os órgãos e eles não ajudaram. O único órgão que ajudou foi os Bombeiros que ajudou com a coordenada mais ou menos onde poderiam estar. Mas as coordenadas eram de outro avião.

De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), o Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Curitiba (ARCC-CW), responsável pela área onde ocorreu o acidente, encontrou destroços com probabilidade de serem da aeronave desaparecida. A nota informa que a informação foi repassada para os órgãos de busca marítima e os voos continuam.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar a sua experiência

Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa política de privacidade.